Destaque

Meio Ambiente: “Lixão” de Teixeira de Freitas – BA. Agora é Aterro Sanitário.

Teixeira de Freitas é a cidade Polo do Extremo Sul da Bahia e se tornou referência em gestão pública e pioneirismo em processos de desenvolvimento. Por mais que muitos municípios ainda não compreendam os resíduos (lixo) com o potencial econômico que ele tem, Teixeira de Freitas iniciou o processo de adequação e valorização das pessoas que tiram seus sustento dos materiais para reciclagem. A principal conquista neste sentido foi o a transformação do Lixão de Teixeira de Freitas em Aterro Sanitário. Processo este que passou por um conjunto de ações integradas, fruto da parceria entre a Prefeitura de Teixeira de Freitas e o Construir – Consórcio Público Intermunicipal de Infraestrutura do Extremo Sul da Bahia.

Imagem atual, com criação do muro de contenção utilizando pneus velhos.

Hoje, quem trabalha no aterro sanitário já consegue enxergar facilmente as melhorias que aconteceram. Segundo o Moacir Carlos, encarregado pela administração do aterro: “o lixo era despejado em local inadequado e os impactos ambientais eram claros”. Ele segue: “nosso objetivo é promover qualidade de vida para os mais de 80 trabalhadores que trabalham todos os dias separando e recolhendo materiais recicláveis no aterro”, destacou.

Moacir Carlos – encarregado (Construir)

Imagens do antes e depois da intervenção realizada.

A reestruturação geral aconteceu por meio de intervenções do Consórcio Construir com a secretaria de infraestrutura de Teixeira de Freitas e seguiu etapas necessárias à transformação do lixão em aterro sanitário, visando gerar subsídios às políticas públicas, para esse, o processo continue sendo realizado de forma, tecnicamente, adequada e ambientalmente segura.

Imagens do antes e depois da intervenção realizada.

Este trabalho tem como norteador a Política Nacional de Resíduos Sólidos, com base na Lei 12305/2010, que determinou que, a partir de outubro de 2014, todos os municípios brasileiros deveriam depositar seus resíduos sólidos urbanos (RSU) somente em aterros sanitários. Após o inicio da atual gestão municipal, foram identificadas diversas mudanças necessárias para a destinação correta das 180 toneladas de lixo produzidas diariamente em Teixeira de Freitas.



Segundo o engenheiro ambiental, Uillian Araújo, o trabalho realizado no, agora, aterro sanitário da cidade foi determinante para o cumprimento da Política Nacional de Resíduos Sólidos, transformando o problema do lixão, que se arrastava há várias gestões, em um aterro controlado. “É importante salientar que o grande volume de lixo sem a gestão correta provocava a fluidez de chorume, contaminando o solo e atraindo vetores como moscas, baratas e ratos, que dividiam espaço com catadores que possuem o lixo como única fonte de renda para subsistência”, explicou. Chorume é o líquido poluente, de cor escura e odor nauseante, originado de processos biológicos, químicos e físicos da decomposição de resíduos orgânicos. No aterro, este processo é controlado.

Sebastião Silva Vitor – catador de material reciclável.


A adaptação do espaço e as evolução para aterro, só tem pontos positivos. Como, por exemplo, para quem precisa passar horas por lá. A coleta de material reciclável no aterro sanitário foi o meio de vida que o Sebastião Silva Vitor, encontrou para conseguir sustentar a família. “Eu sou hoje o líder aqui dos catadores, ajudo a orientar o trabalho. Nós coletamos, separamos e vendemos. Nós conseguimos tirar mais ou menos uns 250 reais por semana, com o que catamos. Essa foi a alternativa que tivemos para sobreviver e temos orgulho do nosso trabalho”, disse Sebastião.

ANTES DA INTERVENÇÃO


Prefeitura de Teixeira de Freitas – BA.

INFORMOU O REPÓRTER DO POVO: LEONES ALENCAR NOTÍCIAS (73) 9 9972 4624



Facebook Comments Box